Fale com nossa equipe

O trabalho do treinador de futebol e a influência da paisagem social

Por:

Postado

-

Atualizado em

O futebol possui fatores sociais que influenciam o trabalho dos profissionais envolvidos de acordo com cada ambiente. Desta forma, o sucesso do trabalho do treinador de futebol não depende só de saber sobre tática e treinamento, mas também de instigar os atletas, gerir conflitos e lidar com dirigentes e torcedores.

No entanto, a maioria dos treinadores foca exclusivamente em conteúdos de treino e, às vezes, são incapazes de interpretar a paisagem social em que está inserido.

A paisagem social se refere à cultura dominante do local, os bons e maus comportamentos dos profissionais ao lado, os indivíduos mais influentes do grupo, o tipo de poder utilizado, etc. Portanto, além de auxiliar a habituação no trabalho do treinador de futebol, a boa interpretação da paisagem social ajuda a controlar diversos fatores e acelera o processo de adaptação ao modelo de jogo.

Diante disso, a leitura da paisagem social apresenta algumas características, como:

  1. Conhecimento da micropolítica;
  2. Liderança;
  3. Estratégias para gerir conflitos.

Conhecimento da Micropolítica

Fonte: (TV Palmeiras/FAM)

Segundo Blase (1991), a micropolítica diz respeito ao uso do poder formal e informal pelos indivíduos ou grupos para alcançar os seus objetivos nas organizações, ou seja, como a pessoa utilizará o poder para se proteger e para influenciar os outros.

Investigadores observaram os comportamentos dos treinadores na Liga Inglesa de Futebol durante o treino, identificando o uso de três categorias de poder: legítimo, informacional e expert.

  • Poder Legítimo: permite tomar decisões pela posição que possui dentro da organização social (CUNHA et al., 2006);
  • Poder Informacional: é determinado pela argumentação que a pessoa apresenta, de modo a influenciar uma mudança no comportamento (POTRAC et al., 2002);
  • Poder Expert: é exposto através do acúmulo de aprendizados, demonstrando todo o seu conhecimento e experiência (POTRAC et al., 2002; POTRAC e JONES, 2009).

Para os treinadores de elite, o poder não funciona apenas para aumentar a autoconfiança dos atletas, mas também para reforçar os comportamentos desejados pelos jogadores (POTRAC et al., 2002). Mas, lembre-se que o poder não depende apenas da hierarquia, logo, pode ser exercido por indivíduos situados em escalões menores, desde que saibam ser líderes (CUNHA et al., 2006).

Liderança

Foto: (Luís Figueiredo/CBF)

A liderança no esporte engloba várias dimensões, tais como: tomada de decisão, feedbacks, relações interpessoais e administração da equipe. No futebol, os atletas podem ser influenciados pelo treinador, sendo possível citar algumas referências quando o assunto é liderança: Tite, José Mourinho e Carlo Ancelotti (FONTANETTI, 2015). Mas, antes de adquirirem esta virtude, foram obrigados a desenvolvê-la a partir dos conflitos experienciados, dado que são inevitáveis em organizações sociais.

As pessoas discordam devido aos objetivos incompatíveis, interpretações diferentes e/ou possuírem valores opostos (CUNHA et al., 2006). Muitos estudiosos encaram o conflito como uma realidade necessária para o desenvolvimento pessoal.

Sendo assim, é fundamental saber geri-los de forma que ambas as partes sejam avaliadas e dialoguem, tornando isso em algo construtivista.

Estratégias para gerir conflitos

Fonte: (AFP/Getty Images)

Treinadores de topo utilizam estratégias de persuasão e manipulação de circunstâncias para obter o resultado pretendido. Por exemplo, a série “The Playbook” expôs uma estratégia utilizada pelo técnico da renomada tenista Serena Williams.

O episódio narra as inúmeras falhas de Serena durante o jogo. Sabendo disso, o treinador Patrick Mouratoglou decidiu iludi-la apresentando um percentual grande de acertos para promover autoconfiança na atleta. Como resultado, Serena passou a ter sucesso na maioria das ações e, consequentemente, garantiu a sua vitória.

Para mais, uma pesquisa retratou uma estratégia vinda de um treinador de futebol, com o objetivo de afastar um jogador da equipe que criava problemas indisciplinares. Diante disso, o treinador criou situações comprometedoras, as quais levaram o jogador a pedir transferência para outro clube (POTRAC e JONES, 2009).

Estas atividades intituladas “white lies” (mentiras bondosas) não devem ser consideradas ações condenáveis, mas sim estratégias para lidar com o contexto social. A finalidade é ganhar o grupo, convencer a comissão técnica e desenvolver o modelo de jogo. Assim, o trabalho do treinador de futebol poderia ter sido afetado pelo jogador indisciplinado, caso ele não tivesse interpretado a paisagem social.

O trabalho do treinador de futebol: boa e má leitura da paisagem social

Fonte: (Reuters)

O autor da obra Guardiola Confidencial, Marti Perarnau, narra uma situação em que Guardiola realiza a boa leitura da paisagem social e apresenta o conhecimento das micropolíticas.

Na época, Rooben e Ribery (líderes do elenco) gostavam do treino isolado sem bola, mas o técnico não era adepto ao método. Em seguida, após vetar esse tipo de treinamento, houve desgastes internos no elenco e, por sua vez, Guardiola cedeu uma das suas ideias para se adaptar ao contexto dos jogadores.

Portanto, é necessário reconhecer os atletas mais influentes do grupo e aqueles que tem um maior poder nas relações sociais. Estes são personagens que podem comprometer os objetivos do programa através do seu alto engajamento no grupo (QUEIROZ, 2016).

Em contrapartida, há treinadores que apresentam uma péssima interpretação da paisagem social. Por exemplo, quando o recém-contratado busca mudar rapidamente o contexto do clube, desmerecendo as relações de poder já existentes nele. Em outras palavras, pede inúmeros reforços para o plantel e, consequentemente, não demonstra confiança nos jogadores chaves da equipe.

Considerando os exemplos mencionados, o entendimento da paisagem social revela ser determinante para o rápido controle do ambiente. A leitura da paisagem social é um processo, não uma fórmula. A previsibilidade leva ao dogmatismo, de modo que resulta no insucesso do treinador inserido em um esporte imprevisível e complexo.


Quer saber mais sobre as competências do treinador de futebol? Então escute nosso podcast com o Técnico Jair Ventura.

Contato do autor:
Instagram: g_tadashi

Gostou dos conteúdos do Ciência da Bola? Deixe seu e-mail e lhe enviaremos mais.


Deixe seu comentário