Fale com nossa equipe

Futebol feminino x Futebol masculino: diferenças fisiológicas e nutricionais

Por: Otávio Ferreira

Postado

-

Atualizado em

Cada vez mais nos deparamos com a realidade de um futebol feminino em ascensão no cenário nacional e internacional, resultando no aumento de sua visibilidade. Dessa forma, nesse texto você ficará por dentro das diferenças fisiológicas e nutricionais em relação ao futebol feminino x futebol masculino.

Primeiramente, vale ressaltar que, por ser uma área ainda pouco explorada, profissionais que trabalham com o futebol feminino ainda precisam utilizar, na maioria das vezes, referências criadas para o público masculino realizando adaptações quando necessário.

Aspectos fisiológicos

A primeira diferença que podemos apontar é quanto ao gasto energético. Sabemos que há uma diferença metabólica entre os sexos feminino e masculino, que nos sugere um gasto energético de 5% a 10% menor nas mulheres. Podemos explicar tal diferença, principalmente, em razão do metabolismo masculino ser de 15% a 20% mais acelerado quando comparado ao feminino. Além disso, outros dois pontos também auxiliam nessa questão: a primeira é a parte hormonal; e a segunda é a maior quantidade de massa muscular nos homens.

Em um jogo de alto nível no futebol masculino, a FIFA aponta um gasto médio em torno de 1000 kcal em um indivíduo de 60 kg. Quando comparado ao futebol feminino, os números são um pouco menores, variando em média de 650 a 850 kcal. O gasto energético tanto em homem quanto em mulheres durante o jogo varia conforme a tática utilizada pelo time, pelo adversário, nível de treinamento do atleta, nível de dificuldade e importância do jogo, condições climáticas e posição de jogo.

Aspectos Nutricionais

Do ponto de vista nutricional, temos necessidades parecidas para ambos os sexos. Os dois indivíduos precisam de 7 a 10 gramas de carboidrato por quilo de peso, 1,4 a 1,7 gramas de proteínas por quilo de peso e um consumo de lipídeos igual ou inferior a 30% do valor total das calorias ingeridas ao dia. Assim, esses valores são padrões, sendo utilizados apenas como referência e, dependendo da necessidade individual de cada atleta, devem ser ajustados.

Com relação aos micronutrientes, damos atenção especial a exames, acompanhando-os de perto. Isso porque, devido ao nível elevado de suor frequente, atletas, independente da modalidade e do sexo, podem apresentar deficiências de alguns minerais. Em mulheres atletas devemos prestar mais atenção ao controle de ferro, já que, além da perda no esporte, ainda há a perda no período menstrual.

Em relação à hidratação temos a mesma recomendação, tanto para homem quanto para mulheres. Nesse sentido, o American College Of Sports Medicine (ACSM) recomenda ingestão de 500mL de líquidos nas duas horas que precedem a partida. Depois de iniciada, devem haver paradas frequentes para hidratação. Após o término do jogo, recomendamos que o volume de água perdido seja reposto em, no máximo, duas horas. É importante fazer uma ingestão diária em torno de 40mL para cada quilo de peso.

Algumas das estratégias nutricionais muito comuns de serem utilizadas em atletas femininas tem relação com as mudanças hormonais decorrentes do período menstrual. Além disso, o público feminino deve ter atenção redobrada quando o assunto é transtorno alimentar, visto que mulheres e atletas são compreendidos como grupo de risco para esses transtornos.

Futebol feminino x Futebol masculino

Nesse texto vimos algumas das principais diferenças do ponto de vista da nutrição em relação a atletas de um mesmo esporte, mas sexos diferentes. Portanto, ressaltamos a importância da realização de mais estudos e consensos quanto as recomendações e protocolos para o futebol feminino, de modo a maximizar o rendimento das atletas que vem cada vez mais ganhando seu espaço dentro desse esporte.


Escute nosso Podcast sobre a preparação física no futebol feminino, com participação das preparadoras físicas Raquel Ferreira e Suellen Ramos.

Contatos do autor:
Instagram: @otaviohenriquenut
E-mail: otavioh12@live.com

Imagem de capa
Fonte: brasil.elpais.com

Gostou dos conteúdos do Ciência da Bola? Deixe seu e-mail e lhe enviaremos mais.


Deixe seu comentário