Fale com nossa equipe

Como desenvolver jogadores criativos?

Por: Matheus Padilha

Postado

-

Atualizado em

A criatividade é uma palavra recorrente no futebol e muitas vezes está relacionada ao ataque, com jogadas plásticas e gols bonitos. Jogadores criativos embelezam o esporte. Mas afinal, existe uma maneira de desenvolver jogadores criativos? Essa pergunta nos leva a outro questionamento: a criatividade é inata ou adquirida? Primeiramente, para responder essas perguntas é preciso entender o que é criatividade.

O que é criatividade?

Pode-se compreender a criatividade como a capacidade de gerar respostas inesperadas para uma situação-problema. Assim, jogadores criativos são aqueles que conseguem ter uma tomada de decisão surpreendente e efetiva. Mas como tomar decisões mais efetivas no campo de jogo?

Uma tomada de decisão efetiva parte de alguns pontos básicos: analisar a situação, decidir uma ação e executá-la. Em outras palavras, mais precisamente nas palavras do treinador Jorge Jesus:

“A primeira qualidade do jogador é saber pensar o jogo. A segunda é saber decidir. E, só na terceira, vem a execução. Se não faz bem a primeira e a segunda, não é Jesus que vai te fazer executar. Primeiro tem que pensar o jogo, entender o jogo. Depois tem que saber decidir em quem passar. E depois é que vem a execução”.

A boa tomada de decisão refere-se à escolha de uma ação técnica/tática que seja benéfica para o time. De modo similar ao que falou Jorge Jesus, Vanderlei Luxemburgo criou polêmica ao dizer: “Eu não posso entrar em campo e decidir por eles”, referindo-se aos jogadores. Ambas as falas revelam a autonomia que jogadores tem em campo para tomar determinadas decisões.

A criatividade na tomada de decisão

Conforme dito anteriormente, a criatividade refere-se à capacidade de resolução de problemas através de respostas inesperadas. No futebol é comum que gestos técnicos como o drible, passes que “quebram” linhas, fintas que confundam a marcação e finalizações acrobáticas sejam consideradas ações criativas. Nesse sentido, existe uma tendência em classificar mais ações ofensivas do que defensivas como criativas.

Relacionando a tomada de decisão e a criatividade, podemos compreender que, para tomar uma decisão criativa, é necessário pensar de maneira divergente. Durante todo o tempo de jogo, inúmeras situações forçam os jogadores a decidirem sobre várias opções disponíveis. Ou seja, existem milhares de oportunidades de tomar uma decisão criativa dentro de uma partida. Porém, como treinar para tomar uma decisão inesperada?

Veja o vídeo abaixo do Professor Israel Teoldo, referência mundial sobre o tema tomada de decisão.

Como desenvolver jogadores criativos?

A criatividade, para muitos, é algo inato. Entretanto, a literatura sobre o tema revela que a criatividade pode ser, sim, desenvolvida. Segundo o conceito trazido neste texto, a criatividade é uma ação que busca respostas incomuns. Em outras palavras, um atleta pode aprender a avaliar rapidamente as circunstâncias e tomar uma decisão menos óbvia. Quanto mais conhecimento de jogo (processual, pelo menos) e velocidade de raciocínio o jogador possuir, mais opções de ação ele terá.

Outro aspecto importante que devemos considerar é a capacidade de percepção do jogador. Durante a partida, inúmeros estímulos estão presentes disputando a atenção do atleta, por exemplo: a bola, os jogadores do próprio time, os adversários, as vozes do técnico e assim por diante. Diante desses estímulos o jogador pode estar com o foco de atenção amplo ou estreito, observando muitos ou poucos indicadores em simultâneo. Então, não basta ter conhecimento de jogo e rapidez na decisão se não houver uma seleção adequada dos estímulos importantes naquele momento.

Desenvolvendo o conhecimento de jogo

Para desenvolver a velocidade na tomada de decisão são necessários treinamentos com algumas especificidades, bem como que, para desenvolver o conhecimento de jogo é necessário treinamento. A diferença, todavia, é na forma de condução dos treinamentos. Alguns treinadores comandam treinos onde eles apenas ordenam os jogadores a executar ações ou cumprir objetivos. Faltando, assim, explicação aos jogadores sobre o treinamento e suas funções.

De maneira análoga, existem treinadores que explicam demais o treino. Como resultado, em ambas situações mencionadas, os atletas deixam de pensar o jogo por conta própria. Outro problema comum são os treinadores que “narram” o jogo, dizendo as ações que cada jogador com a bola tem que fazer. Isso condiciona os jogadores a serem meros repetidores.

Diante disso, pode-se compreender que, para terem expertise (especialidade) no futebol, os jogadores têm de ser ensinados a avaliar o contexto e escolher suas ações. Isso, por sua vez, se dá através do ensino tático, ressaltando a importância de uma boa tomada de decisão. Entretanto, a decisão criativa nem sempre condiz com as ideias do modelo de jogo. Em alguns momentos os atletas esperam que a jogada tenha um desfecho, porém o jogador criativo faz algo diferente. Por isso é preciso aprender a pensar o jogo, ratificando as palavras de Jorge Jesus.

O treinador e os jogadores criativos

Técnico do Flamengo, Jorge Jesus testa positivo para o coronavírus |  Poder360

Durante os treinamentos é essencial que o treinador explique algumas funções da atividade, bem como os objetivos, porém deixe algumas informações em aberto. Desse modo, os jogadores terão de pensar em como agir para chegar ao objetivo, desenvolvendo estratégias e exercitando o pensamento crítico. Algo similar ao que o treinador José Mourinho desenvolveu e pode ser melhor compreendido no livro “Mourinho: a descoberta guiada”.

Em conclusão, podemos indicar que o desenvolvimento da criatividade passa por uma ampliação da expertise do jogador, fornecendo-lhe maior capacidade de resposta aos problemas de jogo. Ou seja, quanto maior capacidade de resposta, menos obvio será seu comportamento e mais criativa poderá ser sua ação em campo.

Contato do autor
Instagram: @28padilha
E-mail: matheuspadilhaar@gmail.com

Gostou dos conteúdos do Ciência da Bola? Deixe seu e-mail e lhe enviaremos mais.


Deixe seu comentário