Fale com nossa equipe

A psicologia no futebol de base

Por: Matheus Padilha

Postado

-

Atualizado em

A Psicologia no futebol de base é parte indispensável na formação de jogadores. Aliás, para além da formação no esporte, a psicologia possui um viés educativo nas categorias de base. Tanto que o certificado de clube formador da CBF, impõe como pré-requisito a existência de um profissional da Psicologia prestando serviço aos clubes.

Dessa maneira, o processo de formação dos jogadores necessita de vários componentes que nem sempre os clubes tem capacidade de oferecer. Isso porque os cuidados de maneira integral aos jovens jogadores custam muito para times de pequeno porte. Assim, a esmagadora maioria dos clubes brasileiros não possuem certificado de clube formador. Então o que é possível fazermos com o que temos?

O adolescente no futebol

As mudanças radicais que acontecem na adolescência geralmente são motivo de vários conflitos para os atletas. Nesse período eles estão formando uma identidade ao passo que estão desenvolvendo habilidades de jogo. Com isso, o período conturbado pode ser trabalhado de maneira que os prejuízos não sejam tão grandes. E um acompanhamento com os garotos e com a família é de grande importância nesse momento.

Papel dos pais e treinadores

Foto: (Francine/Pixabay)

Sob o mesmo ponto de vista, a responsabilidade dos pais e treinadores nesse momento de transição é enorme. Muitas vezes a pressão exercida pelos pais/treinadores acaba prejudicando. Isso porque muitas vezes os pais/treinadores confundem pressão com motivação. Não se trata de colocar termos positivos para os atletas ou diminuir a cobrança, mas sim de mostrar as possibilidades reais sem desmotivar ou desmerecer.

Um dos pontos a serem observados é a relação entre expectativa e objetivos. Muitas vezes as expectativas são irreais e/ou os objetivos inalcançáveis. O desempenho de um jovem jogador tende a oscilar bastante e por isso não é interessante criar rótulos. Já vimos muitos jogadores tidos como promessas que não vingaram. Do mesmo modo jogadores dispensados que fizeram história em outros clubes.

Assim, em relação ao processo de amadurecimento, os jogadores diferem bastante. Tanto o amadurecimento psicológico quanto físico. Portanto, isso tem que ser levado em consideração para um melhor processo de ensino-aprendizagem. Aliás, a formação dos atletas deve respeitar as necessidades de cada um. Ao contrário do que se pensava antigamente, o processo de formação não é um processo de seleção dos mais prontos. A formação se dá pelo desenvolvimento das potencialidades e a correção dos erros.

E o que a psicologia no futebol de base tem a oferecer?

Em categorias de base o papel da Psicologia é diferente do alto rendimento. Apesar da urgência por resultados nas categorias de base, o desenvolvimento dos jogadores é o principal objetivo. Há uma necessidade de trabalhar um equilíbrio entre o desenvolvimento pessoal e profissional do atleta, com a busca por uma boa performance. Simultaneamente, há nas categorias de base uma função desportiva e uma função social.

Além das situações já mencionadas, nas categorias de base pode ser começado o treinamento de habilidades psicológicas. Pois as alterações de humor, agressividade e oscilações de desempenho são mais frequentes nessa faixa etária. E com isso o desenvolvimento da competência emocional se dá depois das competências técnicas, táticas e físicas.

Qual a função do psicólogo nas categorias de base no futebol?

Em síntese, o Psicólogo acompanha o desenvolvimento dos jovens, gerenciando conflitos e observando possíveis pontos positivos e negativos no processo de formação. Ao mesmo tempo, ele também inicia o processo de ensino de habilidades usadas no futebol profissional.


REFERÊNCIAS


Autor- Instagram: @28padilha
matheuspadilhaar@gmail.com
Foto de capa: (Pixabay)

Receba nossa Newsletter

Gostou dos conteúdos do Ciência da Bola? Deixe seu e-mail e te enviaremos mais.